Sem vacina, não há encontros: mulheres brasileiras priorizam imunidade ao buscar um parceiro

Sem vacina, não há encontros: mulheres brasileiras priorizam imunidade ao buscar um parceiro

74% das entrevistadas revelou que é imprescindível que a pessoa com quem vai sair tenha a mesma percepção sobre a importância de se vacinar

Ser contra a vacina é o fim da linha no universo dos encontros? Você sairia com alguém que não quer se vacinar? O AdoteUmCara perguntou às mulheres brasileiras e isto é o que elas responderam

Muitas coisas mudaram em nossa rotina nos últimos dois anos, devido à pandemia. Naturalmente, encontros românticos não são uma exceção. À medida que nos adaptamos, a vacinação avança, indicando que estamos dando os primeiros passos de volta à normalidade... Que implicações isso tem sobre como vivemos um romance e no que procuramos em nossos parceiros? 

Para encontrar a resposta para essas e outras questões, o aplicativo AdoteUmCara realizou uma enquete com jovens brasileiras, que revelaram que, de fato, a vacina se tornou uma nova exigência no namoro.

De acordo com a pesquisa, que reuniu quase mil opiniões, as mulheres brasileiras que optam pelo romance digital estão, em sua maioria, conscientes da importância de se protegerem contra o COVID-19: 95% disseram já ter sido vacinadas ou planejar fazê-lo.

"E não apenas isso, mas a realidade é que o posicionamento sobre a relevância da vacina tornou-se até mesmo um ponto de compatibilidade. 74% de nossas entrevistadas disseram que é vital para elas que seu parceiro tenha a mesma postura sobre esta questão", diz Rocío Cardosa, gerente de projetos internacionais do AdoteUmCara

"Apesar disso, pouco menos da metade (49%) afirmou abordar a vacinação como  um tópico de conversa antes ou durante seus encontros", contrapôs ela.

Ainda que exista uma clara dicotomia entre as que trazem o assunto à tona durante as suas interações com parceiros em potencial e as que preferem falar de questões mais amenas, é possível perceber que a vacinação é mais do que apenas um tópico casual de conversa. De fato, o tema foi incorporado como uma espécie de "filtro" no processo do desenvolvimento de um romance e pode ser até mesmo um fator determinante, considerado como o fim da linha para uma nova perspectiva romântica.

"As mulheres brasileiras querem continuar a ter vida romântica e os aplicativos têm sido o espaço ideal neste tempo de distanciamento social. Entretanto, elas não negligenciam a possibilidade de eventualmente voltar a ter encontros pessoalmente e, para isso, colocam em evidência a importância de fazê-lo com segurança", acrescentou Cardosa.

Por isto mesmo, 69% disseram que não estariam dispostos a namorar alguém que se recusasse a ser vacinado. O motivo? Neste novo normal, onde nossas interações mudaram, a vacina é um fator que as faz sentir mais seguras e tranquilas, de acordo com 83% das entrevistadas.

“Vacina" como novo conteúdo da embalagem

A realidade, conturbada pela pandemia, levou as mulheres a repensar os critérios de busca de candidatos a fim de encontrar o perfil mais adequado. Pensando nisso, o AdoteUmCara incorporou "vacina", na categoria "Conteúdo da Embalagem", onde os homens podem indicar se já tomaram a vacina. Esta informação ficará, então, visível em seu perfil, juntamente com a cor dos olhos, gostos e estilo.

 

Sobre AdoteUmCara

Fundado pelos empresários franceses Manuel Conejo e Florent Steiner, o AdoteUmCara já seduziu mais de 27 milhões de pessoas em todo o mundo, e conta com o mesmo número de mulheres e homens entre seus usuários. 

Tendo um conceito simples como a chave do seu sucesso, baseado na inversão de papéis, a marca continua seu desenvolvimento internacional em dez países e em dois continentes, mantendo-se não convencional e um tanto transgressora. Disponível no site AdoteUmCara e no aplicativo mobile para Android e iPhone.